EBITDA proforma da Cosan registra R$ 1 bilhão e lucro líquido totaliza R$ 256 milhões no primeiro trimestre de 2014

Destaques

  • Volume da Raízen Combustíveis cresce 9,6% e EBITDA atinge R$ 521 milhões
  • Raízen Energia encerra o ano safra 2013/14 com R$ 2,4 bilhões de EBITDA
  • Crescimento de 5,9% no volume do segmento comercial da Comgás com adição de 418 novos clientes
  • Rumo tem crescimento de 27% no volume elevado e EBITDA de R$ 93 milhões
  • Radar tem ganho de 19% na venda de propriedades

 

São Paulo, 13 de maio de 2014 – A COSAN LIMITED (NYSE: CZZ; BM&FBovespa: CZLT33) e a COSAN S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO (BM&FBovespa: CSAN3) anunciam os seus resultados referentes ao primeiro trimestre de 2014 (1T14) composto pelos meses de janeiro, fevereiro e março. Os resultados são apresentados de forma consolidada, de acordo com regras contábeis nacionais e internacionais (IFRS).

 “O resultado da Cosan neste trimestre mostra o bom desempenho de todas as operações da companhia no período e reflete a consolidação da empresa nos setores de infraestrutura e energia”, afirma o diretor-presidente da Cosan, Marcos Lutz.

Resultado Consolidado Cosan

No 1T14, a receita líquida proforma consolidada da Cosan registrou R$ 9,6 bilhões ante R$ 8,5 bilhões na comparação com o mesmo período do ano anterior. O EBITDA atingiu R$ 1 bilhão, contra R$ 911, 5 milhões do 1T13 e a margem EBITDA foi de 10,7%. O lucro líquido somou R$ 256,1 milhões.  Os principais fatores desta variação foram:

  • Melhoria de R$ 71,3 milhões no resultado financeiro, principalmente, pela variação cambial e amortização de custo de transação entre os trimestres;
  • Aumento na linha de resultado de equivalência patrimonial no montante de R$ 129,2 milhões devido aos resultados da Raízen;
  • Redução no EBIT e lucro de acionistas não controladores em R$ 54,5 milhões

Ao final do 1T14, as disponibilidades de caixa somaram R$ 2,8 bilhões ante R$ 2,3 bilhões no 4T13. O endividamento proforma líquido no trimestre foi de R$ 9,6 bilhões, comparado aos R$ 10,3 bilhões no trimestre anterior, equivalente a uma alavancagem de 2,4 vezes considerando o EBITDA proforma de R$ 4,1 bilhões dos últimos 12 meses.

* Devido a adoção da norma contábil IRFS 11, a partir de abril de 2013, os resultados da Raízen Energia e da Raízen Combustíveis são contabilizados na linha “Resultados de Equivalência Patrimonial”. Para efeito de melhor comparação do mercado e devido a importância das operações da Raízen para a companhia, os números consolidados da Cosan são apresentados de maneira proforma, considerando, portanto, a participação proporcional da Cosan (50%) na Raízen em todas as linhas de resultado.

Confira , a seguir, os resultados de cada negócio da empresa:

Raízen Combustíveis

A receita líquida da Raízen Combustíveis totalizou R$ 13 bilhões no 1T14, valor 18,9% superior em  comparação com o mesmo período do ano anterior. O resultado se deve ao aumento de 9,6% na venda de combustíveis, com destaque para etanol e gasolina, que cresceram 22,7% e 11%, respectivamente. O maior volume se justifica pela expansão da rede de postos revendedores e aumento na frota de veículos. O preço médio dos produtos, que subiu 8,5% entre o 1T13 e o 1T14 , também teve influência no resultado.

O EBITDA da Raízen Combustíveis registrou R$ 521,2 milhões, um incremento de 23,2% em comparação entre os trimestres. A margem EBITDA alcançou 4% no período. No primeiro trimestre, R$ 277,8 milhões foram destinados a investimentos, especialmente na conversão acelerada de postos revendedores, em logística, distribuição e trading. O valor é 81% superior ao investido no 1T13. A rede de postos revendedores Shell encerrou o período com cerca de 4.970 postos e 900 lojas de conveniência.

Raízen Energia

A companhia apresenta o desempenho da Raízen Energia referente ao 1T14 e também referente aos resultados de 12 meses, findos em março de 2014, equivalente ao ano safra 2013/14. Para efeitos de comparação também são apresentados os dados do ano safra 2012/13.

A receita líquida da Raízen Energia no 1T14 somou R$ 2,6 bilhões, aumento de 10,8% em relação o mesmo período do ano passado. O resultado se deve ao aumento do volume de vendas de todos os produtos e também ao crescimento do preço médio do etanol – no mercado interno e externo – e da energia elétrica. 

A receita da venda de açúcar foi de 1,2 bilhão, 4,1% superior em relação ao 1T13. Já o etanol gerou R$1,3 bilhão, com aumento de 17,6%. No mesmo período, a receita líquida com a venda de energia registrou R$ 27,3 milhões, valor 107,5% maior. O volume total de energia vendida atingiu 71,1 mil MWh, 32,4% superior na comparação com o trimestre anterior, reflexo das iniciativas de cogeracao prolongada no período de entressafra. O preço médio da energia foi de 384/MWh, 56,8% superior, elevação decorrente de maior volume de operações no mercado spot.

O EBITDA da Raízen Energia no 1T14 teve crescimento de 78,8% entre os trimestres e registrou R$ 734 milhões, resultado expressivo que demonstra a bem sucedida estratégia de construção e carry de estoques de açúcar e etanol do 4T13 para o 1T14, no qual foram praticados melhores preços de venda. O investimento total de R$ 1 bilhão está em linha com o valor aplicado no mesmo período do ano anterior e se concentrou nos ativos biológicos, manutenção da entressafra agrícola e industrial, projetos de expansão de moagem em Paraguaçu e Caarapó e Etanol 2G.

Na safra 2013/14, a receita líquida da Raízen Energia registrou R$ 9,5 bilhões, 11,7% maior do que a safra anterior, devido ao maior volume de vendas e a elevação do preço médio do etanol no período. A receita líquida de venda de açúcar totalizou R$ 4,4 bilhões, em linha com o resultado da safra 2012/13. Já a do etanol registrou R$ 4,5 bilhões, com elevação de 34,7%, resultado relacionado ao volume de vendas e ao preço, conforme já mencionado.  Com relação à venda de energia, a receita líquida totalizou R$ 403,8 milhões.

O EBITDA da safra se manteve estável na comparação entre as safras, tendo registrado R$ 2,4 bilhões, com elevação de 1,1%. Os investimentos somaram R$2,5 bilhões, com variação positiva em 4,9%.

Comgás

A Comgás tem como foco o crescimento nos segmentos residencial e comercial e o desenvolvimento dos negócios de cogeração e GNV. Neste 1T14, as redes de distribuição da companhia totalizaram 11,3 mil quilômetros de extensão, sendo que 335 quilômetros foram adicionados no referido trimestre.

No 1T14, a receita líquida de vendas e de serviço da Comgás totalizou R$ 1,5 bilhão, 4,8% a mais na comparação entre os trimestres. Os aumentos nas tarifas de vendas, conforme as deliberações da ARSESP nº 421 e nº 455, foram os principais responsáveis pela variação.

O EBITDA da Comgás no período registrou R$ 342 milhões, 8,8% maior na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Quando normalizado pela conta corrente regulatória, o EBITDA do trimestre chegou a R$ 282,8 milhões, 7,9% superior ao 1T13. A conta corrente regulatória representa um saldo a receber ou a pagar em função da diferença entre o preço de gás comprado pela Comgás e o preço considerado na composição da tarifa fixada pela agência regulatória (ARSESP). Esse saldo não é contabilizado, mas o termo normalização se refere à sua consideração para efeitos de maior abertura e transparência dos resultados.

Os investimentos da Comgás somaram R$155,8 milhões no trimestre, retração de 10,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior, justificada pelos altos investimentos no projeto de Reforço de Rede Tubular de Alta Pressão (RETAP) realizados em 2013. Do total de investimento no trimestre, 69% foram destinados à expansão da rede de distribuição de gás.

Rumo

Devido a maiores volumes de transporte e elevação, a receita líquida da Rumo no 1T14 foi de R$ 207,9 milhões, 23,5% superior em relação ao 1T13.  A receita líquida de transportes cresceu 20,6%, registrando R$154,9 milhões em decorrência, principalmente, do crescimento de cerca de 60% no volume de açúcar transportado por causa da venda dos estoques construídos no quarto trimestre de 2013 pelos principais produtores. Já a receita de elevação avançou 34,9% para R$ 49,4 milhões, no período de comparação em decorrência de novos contratos. O volume total elevado foi de 2,7 milhões de toneladas. 

A Rumo registrou EBITDA de R$ 92,8 milhões, 34,2% superior ao valor reportado no 1T13 e margem EBITDA de 44,7%, superior em 3,6 pontos percentuais na mesma comparação. Os investimentos da Rumo totalizaram R$ 14 milhões e foram direcionados para melhorias nos terminais de Santos, Itirapina e para manutenção de ativos.

Cosan Lubrificantes

A receita líquida da venda de lubrificantes, revenda de óleo básico e outros produtos e serviços da Cosan Lubrificantes no 1T14 totalizou R$ 368,3 milhões, 3% superior ao 1T13 em virtude do aumento da participação das vendas nos negócios internacionais. A receita média unitária cresceu 2,4% no trimestre, passando para R$ 5.050/ m³. O EBITDA registrou 23,2 milhões.

Radar

A Radar encerrou o 1T14 com um portfólio de terras próprias avaliado em R$ 2,5 bilhões, com área total de 106,3 mil hectares (262,5 mil acres), distribuída entre seis estados brasileiros (São Paulo, Maranhão, Mato Grosso, Bahia, Goiás e Mato Grosso do Sul). Quando considerados os ativos de terceiros administrados pela Radar, a área total sob gestão é de 235,3 mil hectares (581,2 mil acres) equivalente a R$ 4,2 bilhões.

A receita líquida da Radar no trimestre foi de R$ 63,6 milhões. O EBITDA foi negativo em R$ 5,9 milhões no período, impactado pela desvalorização de 0,9% do portfólio de terras próprias, seguindo a avaliação de índices do mercado.

Sobre a Cosan:

Com foco em energia e infraestrutura, a Cosan atua em setores estratégicos para o desenvolvimento do país por meio das empresas: Rumo, empresa de logística; Radar, de gestão de terras agrícolas; Comgás, de distribuição de gás canalizado; Raízen Combustíveis, de distribuição de combustíveis, Raízen Energia, de açúcar, etanol e cogeração de energia elétrica; e Cosan Lubrificantes, que produz e distribui lubrificantes, entre outros produtos automotivos.

Comprometida com resultados de alta performance, que construam valor para os seus clientes, funcionários, acionistas e sociedade, a Cosan gerou receita de R$ 36 bilhões no ano fiscal encerrado em 31 dezembro de 2013.

Para mais informações, visite nosso site www.cosan.com e siga nossa empresa no Facebook em http://www.facebook.com/CosanBrasil e no LinkedIn www.linkedin.com/company/cosan

In Press Porter Novelli

Sabrina Daspett

sabrina.daspett@inpresspni.com.br

11 3897-5940

11 9-9118-5073

Mariana Paker

mariana.paker@inpresspni.com.br

11 3897-5930

Isabela Cury

isabela.cury@inpresspni.com.br

11 3323-1515

Patricia Bartuira

Patricia.bartuira@inpresspni.com.br

11 3323-1571

11 9-899-0030