Comgás atinge novo recorde de conexões de clientes comerciais em 2014

No ano passado, a companhia investiu R$ 662 milhões na adição de 1.617 quilômetros de rede. Destaque para as cidades de Americana, Jundiaí, Osasco, Guarulhos e São José dos Campos, que estão entre as maiores beneficiadas

A Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) – maior distribuidora de gás natural canalizado do País – encerrou o ano de 2014 com o total de 1.460.615 clientes conectados, um crescimento de 9,5% na base em relação ao ano de 2013. O segmento comercial foi destaque no ano, com a adição de 1.454 clientes, 41% a mais do que no ano anterior. Na mesma base de comparação, a conexão de novas indústrias subiu 24%, novos prédios residenciais (New Housing) 3% e, pela primeira vez nos últimos anos, registrou-se um aumento de 18% na conversão de veículos para o uso do gás natural como combustível.

Em 2014, a companhia distribuiu 5,5 bilhões de m³ de gás, mesmo volume distribuído no ano anterior. A manutenção do volume de gás distribuído ocorreu em razão da baixa atividade industrial, a crise hídrica em São Paulo e as altas temperaturas em relação a 2013. O ano também foi marcado pela melhoria no relacionamento com os clientes, reduzindo em 14% a quantidade de reclamações registradas ao longo do ano. O volume de ligações na central de atendimentos reduziu 9% comparado a 2013, mesmo com o crescimento de 8% na base de clientes.

Do total dos investimentos realizados durante o ano, aproximadamente 72% foi destinado à expansão da rede de distribuição de gás. Foram adicionados 1.617 quilômetros de rede no período, número em linha ao realizado em 2013, que foi de 1.629 quilômetros. No 4T14 foram adicionados 411 km de rede, número 10% abaixo do realizado no 4T13 (459 km). Dentre os projetos realizados no trimestre destacam-se: Americana (26,6 km adicionados), Jundiaí (25,6 km), Osasco (25,2 km), Guarulhos (21,2 km), Vila Medeiros (21,0 Km) e São José dos Campos (20,6 km). Também vale destacar os projetos São Vicente, Taubaté, Taboão da Serra e Piracicaba com média de 14 km assentados.

[tabela anexa]

No ano, o lucro bruto normalizado pela conta corrente apurado pela companhia foi de R$ 1.761, 3,0% superior a 2013 (R$ 1.713 milhões). No 4T14, o lucro bruto foi de R$ 452 milhões, contra os R$ 443 milhões do 4T13, um aumento de 2,0%. 

O EBITDA normalizado pela conta corrente regulatório foi de R$ 1.303 milhões no ano, uma redução de 2,4% comparada ao ano anterior. Na comparação entre os trimestres, houve uma redução de 1,6%, passando de R$ 329 milhões no 4T13 para R$ 324 milhões no 4T14.

 

Mercados & Clientes

O Mercado Comercial – clientes ligados no comércio – fechou 2014 com 13.751 clientes, um aumento de 11,8%. No ano de 2014, o segmento comercial foi responsável pela distribuição de 121,6 milhões de m³ de gás, 2,1% acima do ano de 2013 (119,2 milhões de m3). A Comgás atingiu 31,6 milhões de m³ distribuídos 4T14, representando uma queda de 0,3% do volume distribuído quando comparado ao 4T13 (31,7 milhões de m3). Apesar das dificuldades do ano, o segmento apresentou um crescimento no volume distribuído, principalmente por conta da ligação de 1.454 clientes nos últimos 12 meses, sendo 316 deles somente no 4T14. Durante os últimos meses, a companhia vem reduzindo o tempo de conexão dos novos clientes de estabelecimentos comerciais, em especial do ramo de gastronomia. A Comgás tem estimulado o desenvolvimento de novas aplicações para o gás natural, como a utilização em fornos de pizzarias, refrigeração comercial e outras novas aplicações.

 

O Mercado Residencial – clientes residenciais conectados – encerrou o ano com 1.023.336 medidores conectados, um crescimento de 7,4% em relação a 2013 (952.662), número que inclui condomínios com medidores coletivos. Contudo, ao considerar o número de UDAs (Unidade Domiciliar Autônoma), que mede apenas uma residência, o crescimento nos últimos 12 meses foi de 9,5%, atingindo 1.445.485 UDAs em dezembro de 2014. No ano, o segmento foi responsável pelo consumo de 210,6 milhões de m³ de gás, 6,3% a menos em relação aos 224,7 milhões de m³ de gás consumidos no ano de 2013. No quarto trimestre de 2014, foram distribuídos 51,5 milhões de m³ de gás, volume 12,3% inferior ao distribuído no 4T13 (58,8 milhões de m³). A queda do consumo de gás neste segmento se deve a alta temperatura e ao incentivo na diminuição de consumo de água. O “new housing” (novos prédios e condomínios) é o segmento que mais contribuiu para a expansão deste mercado em 2014, com a conexão e disponibilização de gás natural para mais de 58 mil novas UDAs.

 

O Segmento Industrial – clientes ligados no setor industrial – registrou 1.056 clientes em dezembro de 2014, responsáveis por 67,0% do consumo total distribuído em volume de gás no ano. No ano de 2014, o volume consumido do segmento totalizou 3.667,7 milhões de m³ de gás, 3,2% abaixo em relação aos 3.788,3 milhões de m³ cúbicos distribuídos no ano anterior. No 4T14 foram distribuídos 905,5 milhões de m3, volume 1,2% abaixo do distribuído em 4T13 (916,9 milhões de m³). Esta variação está relacionada com o desempenho da economia e baixa atividade industrial no período. A estratégia da companhia prevê a manutenção, fidelização e incremento da demanda por meio de novas aplicações para o gás natural e de expansão da rede para novos municípios e distritos industriais. Um exemplo disso é a nova fábrica da Mercedes Benz, em Iracemápolis (SP), que utilizará gás natural para sua produção em 2016. A montadora utilizará o gás nas estufas de pintura e terá uma planta de cogeração de energia.

 

Na Cogeração - produção simultânea de energia térmica e elétrica a partir do gás natural - o volume apresentou uma redução de 7,2% em relação a 2013, passando de 323,0 milhões de m³ para 299,6 milhões de m³. Também houve redução no 4T14 de 5,0% no volume de gás distribuído, atingindo 71,7 milhões de m³ versus 75,5 milhões de m³ no 4T13. A cogeração é impactada pela concorrência com o preço da energia elétrica, em especial, em clientes cativos com tarifas competitivas que reduziram a operação da cogeração e o consumo do gás natural. Entretanto, este cenário apresenta uma tendência de melhora em 2015, favorecendo assim uma maior utilização do parque instalado, bem como a possibilidade de implementação de novas plantas. No final do ano, a procura por projetos de cogeração apresentou um aumento de 20%.

 

Para a Termogeração - processo de obtenção de energia elétrica a partir da queima do gás - o volume distribuído no ano foi de 938,5 milhões de m³, um aumento de 24,5% comparado aos 753,8 milhões de m³ no ano de 2013. No 4T14, o volume foi de 260,6 milhões de m³, representando um crescimento de 27,3% quando comparado ao 4T13 (204,7 milhões de m³). Os contratos de fornecimento de gás firme da Comgás não incluem o abastecimento das termelétricas. Caso estas necessitem despachar gás, a Petrobras se encarregará de fornecer à companhia o volume adicional, pois estes são contratos “back to back”.

 

Por fim, o Mercado Automotivo distribuiu 220,6 milhões de m³ de Gás Natural Veicular (GNV) no ano de 2014. No trimestre houve uma queda de 11,4% ao comparar os volumes do 4T14 (55,8 milhões de m³) e do 4T13 (63,1 milhões de m³). Apesar da queda do volume, esse é o quarto trimestre consecutivo que o número de instalações do kit GNV aumentou em relação a 2013, foram 693 conversões no 4T14, 15,7% a mais do que no 4T13, quando ocorreram 599 conversões. A Comgás tem buscado fortalecer o desenvolvimento de novos canais de vendas como segmento de frotas, concessionárias, taxistas e parcerias com empresas convertedoras de veículos. A utilização do gás natural no transporte público e a busca por incentivos fiscais para uso do gás natural continuarão no pleito da companhia.

 

Comunicação Corporativa – Relações com a Imprensa

Marília Gusmão – tel. (11) 4504-5101 – mgusmao@comgas.com.br

Raoni Costa – tel. (11) 3897-5940 – rcosta@comgas.com.br

 

 

 

Leia na íntegra