Projeto da Rumo promete revolucionar a importação de fertilizantes no Brasil

Maior concessionária ferroviária do país, a Rumo começa em 2018 a transportar fertilizantes entre as duas pontas de seu principal corredor de exportação de grãos: o Terminal do Porto de Santos (SP) e o Terminal Multimodal de Rondonópolis (MT). Dessa forma, os vagões esvaziados no porto paulista poderão voltar carregados com adubo à cidade que é considerada o coração do agronegócio brasileiro.

O investimento no projeto deve chegar a R$ 200 milhões, com obras de ampliação que darão ao terminal de Rondonópolis uma capacidade de descarregamento de 7,5 milhões de toneladas de fertilizantes ao ano. "O transporte vai atender um mercado amplo e carente de soluções logísticas, trazendo ganhos de produtividade e lucrabilidade para o cliente e para Rumo. O transporte desse produto por ferrovia representa ganhos operacionais importantes para a Rumo e vai atender um amplo mercado, trazendo vantagens econômicas para o consumidor", diz o gerente comercial Raphael Tulio, responsável pelo empreendimento.

O Brasil importa a maior parte dos fertilizantes usados no país. De acordo com levantamento da Associação dos Misturadores de Adubos do Brasil (AMA Brasil), cerca de 8 em cada 10 toneladas do produto utilizado em 2016 veio de outros países.

Maior produtor brasileiro de grãos, o Mato Grosso é o maior consumidor desses insumos. Dos 34 milhões de toneladas entregues ao mercado agrícola nacional no ano passado, 6,5 milhões foram para esse estado do Centro-Oeste - ou seja, 20% do total, ainda segundo dados da AMA Brasil.

Atualmente, a maior parte dos fertilizantes chega do exterior pelos portos da Região Sul do País. O transporte para as áreas de produção agrícola é feito principalmente por rodovia, o que encarece o preço final do produto.

A projeto da Rumo pretende alterar esse quadro, colocando o principal corredor de exportação de grãos do País a serviço da importação de fertilizantes. "Nosso projeto chega como uma revolução na entrada e no transporte desse tipo produto no Brasil", explica Tulio. "Vamos facilitar a logística para o consumidor final e impactar diretamente na redução do custo da cadeia logística".

Sobre a Rumo

A concessionária tem 12 mil quilômetros de malha ferroviária, 966 locomotivas, 28 mil vagões e quase 12 mil funcionários diretos e indiretos. Sua capacidade de elevação no Porto de Santos e no Porto de Paranaguá é de 29 milhões de toneladas ao ano.