Rumo investirá R$ 4,7 bi com renovação da concessão da Malha Paulista

Segunda audiência pública ocorreu nesta quinta (26) em Brasília; investimentos em melhorias operacionais e segurança visam aumentar a capacidade de transporte da ferrovia

O plano de investimentos de R$ 4,7 bilhões propostos para a Malha Paulista, que junto com a Malha Norte responde pelo escoamento de grande parte da produção agrícola de Mato Grosso até o Porto de Santos, foi detalhado nesta quinta-feira (26), numa audiência pública em Brasília. Trata-se da segunda sessão promovida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para debater a extensão por mais 30 anos do contrato de concessão da malha firmado com a Rumo, maior operadora logística com base ferroviária independente da América Latina - o contrato em vigência vai até 2028.

Os R$ 4,7 bilhões previstos para os próximos anos vão propiciar ganhos significativos em termos de capacidade de transporte da Malha Paulista, passando dos atuais 35 milhões de toneladas para cerca de 75 milhões de toneladas ao ano. Ao longo dos quase 2.000 quilômetros de extensão da malha serão realizadas duplicações de trechos, ampliação de pátios, modernização de via e obras para mitigar os conflitos urbanos entre a ferrovia e os municípios atravessados pela ferrovia. A ideia é aumentar não apenas a capacidade de transporte da via, mas também a segurança nas operações. Também está prevista a aquisição de 196 locomotivas e 2.575 vagões.

Participações públicas

A exemplo da primeira audiência, realizada dois dias antes em São Paulo, esta abriu espaço para manifestações públicas de políticos, usuários do serviço e associações da indústria e do setor logística. Uma vez mais, a maior parte das falas ao microfone expressou apoio à prorrogação.

Foi o caso de Vagner Moreira, diretor técnico da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP), que representa 25 empresas associadas no Porto de Santos. Ele começou sua fala cumprimentando a ANTT pelo caminho escolhido para implementar essa política pública. "Realmente, o Porto de Santos não pode esperar o futuro, não pode esperar novos entrantes", diz. "Precisa de investimentos imediatos, cujo único caminho é a antecipação da prorrogação. Se o concessionário é bom, está adimplente e presta um bom serviço, tem todo o direito de permanecer, mediante investimentos".

A diretora-presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Elizabeth Farina, abordou a importância da viabilização, recuperação e expansão da Malha Paulista para a exportação do açúcar. "Nós exportamos 70% da produção brasileira e atingimos 45% do comércio internacional do açúcar", afirma. "São Paulo, que responde por mais de 50% desse total, quase 60%, tem 130 unidades exportadoras de açúcar distribuídos pelo Estado. Daí a importância da renovação da concessão da Malha Paulista para os negócios do açúcar, que impactam diretamente o resultado da balança comercial do País".

Turnaround

Maior operadora ferroviária do País, a Rumo vem realizando um trabalho de revitalização e expansão logística de grande impacto em sua rede, que totaliza mais de 12 mil quilômetros de ferrovia. Iniciado após a fusão com a América Latina Logística (ALL), concluída em abril de 2015, esse turnaround vem aumentando a segurança para funcionários e comunidades no entorno da ferrovia, criando novos empregos e gerando desenvolvimento para o Brasil, garantindo o escoamento da safra agrícola e colaborando de forma positiva para a balança comercial nacional.

Desde a fusão, a Rumo já adquiriu 109 locomotivas e quase 1.600 vagões; investiu mais de R$ 1 bilhão na manutenção, recuperação e duplicação de trechos da linha férrea, além de ampliação e construção de pátios, recapacitando quase 700 quilômetros de trilhos; implantou um pátio de triagem no Terminal de Rondonópolis (MT) com capacidade para receber mil caminhões por dia; inaugurou um novo armazém em Santos, com capacidade estática para 100 mil toneladas; e concluiu a duplicação do trecho Campinas-Santos, onde foram investidos R$ 730 milhões.

Sobre a Rumo 

A concessionária tem 12 mil quilômetros de malha ferroviária, 966 locomotivas, 28 mil vagões e quase 12 mil funcionários diretos e indiretos. Só maquinistas, são 1,75 mil profissionais. Sua capacidade de elevação no Porto de Santos e no Porto de Paranaguá é de 29 milhões de toneladas ao ano.