Volume de vendas do GNV tem primeiro trimestre no positivo em relação a ano anterior em nove anos, aponta levantamento da Comgás

A alta de preços dos combustíveis líquidos, principalmente no último trimestre de 2015, criou uma reviravolta no consumo do Gás Natural Veicular (GNV) em São Paulo. A Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) -- concessionária que distribui GNV para postos na Região Metropolitana de São Paulo, Baixada Santista, Vale do Paraíba e Campinas e Região -- registrou pela primeira vez um crescimento no volume de vendas desde o ano de 2007. No terceiro trimestre deste ano, as vendas subiram 3,4%, com o consumo de 49.859 milhões de metros cúbicos no período. 

Em um cenário de crise econômica, os consumidores buscam alternativas para equilibrar o orçamento. O GNV proporciona um rendimento muito maior por quilômetro rodado. A economia é de aproximadamente 53% frente a gasolina e 52% frente ao etanol. Na prática, com R$ 30, um motorista consegue percorrer 180 km com GNV, 87 km com gasolina e apenas 85 km com etanol. 

No primeiro semestre, a Comgás já havia registrado recorde no número de conversões de veículos para o GNV na série histórica desse período desde o ano de 2011, quando os números passaram a ser tabulados. Somente entre janeiro e junho, a Comgás anotou 3.483 conversões, crescimento de 113,55% em relação ao acumulado ao mesmo período no ano de 2015. Em setembro de 2016, por exemplo, o crescimento foi de 219%, saindo de 186 conversões (setembro de 2015) para 593. 

Esse aumento do número de conversões contribuiu para o aumento do volume, de acordo com o gerente de GNV da Comgás. A Companhia já havia percebido sinais de recuperação no primeiro semestre deste ano, quando a queda no volume comercializado, em média, ficou na casa dos 4%, enquanto no terceiro trimestre de 2015 esse número chegou a 13,6% ante igual período no ano de 2014. 

Atualmente, a Comgás estima que a frota que roda com GNV é de 100 mil veículos na área de concessão. 

Oito coisas que você precisa saber sobre o GNV 

1 - ECONOMIA 

O GNV é comercializado em metros cúbicos enquanto o etanol e a gasolina são precificados em litros. Por isso, o que conta não é o preço da bomba, mas o rendimento. E o GNV proporciona um rendimento superior. Na comparação do custo por quilômetro rodado com o de combustíveis líquidos, a economia do GNV supera em média o patamar de 50% no Estado de São Paulo. 

2 - INVESTIMENTO 

O custo de uma conversão pode variar conforme a oficina. Atualmente, custa em torno de R$ 3.990 — valor pode ser financiado em todas instaladoras. O investimento é amortizado pela economia mensal. Quem roda aproximadamente 2.000 km/mês, por exemplo, pode recuperar o valor em um ano e usufruir integralmente da economia nos anos seguintes. 

3 - PERFORMANCE 

Com o Kit GNV de Geração 5, totalmente eletrônico, a performance do carro praticamente não é alterada — a perda de potência é de apenas 3%, algo imperceptível até para um piloto profissional. Não há prejuízos para o motor. 

4 - MANUTENÇÃO 

O Kit GNV de Geração 5 eliminou problemas como o ressecamento de mangueiras ou a necessidade de troca constante de velas. A partida do veículo é realizada pelo combustível original. Após o motor atingir a temperatura ideal, que gira em torno de 90ºC, o gás entra em operação. A manutenção segue o estabelecido no manual do veículo, sem necessidade de manutenção adicional. 

5 - CONVERSÃO 

É fundamental fazer a conversão em uma oficina certificada pelo Inmetro. Existe um selo criado em 2007 para certificar que as instaladoras de GNV atendem aos critérios de segurança, qualidade e padronização necessários para a instalação do sistema. A certificação é realizada pelo Centro de Tecnologias do Gás, consórcio entre o Senai e a Petrobras. 

6 - SEGURANÇA 

O combustível é muito seguro. Menos inflamável que a gasolina ou o etanol, o GNV é mais leve que o ar e se dissipa rapidamente em caso de vazamento. Os equipamentos do Kit GNV Geração 5 seguem padrões internacionais de qualidade e segurança. O cilindro de GNV é projetado com o mesmo material e normas, por exemplo, de um cilindro de oxigênio hospitalar. 

7 - REDE DE POSTOS 

A Comgás tem uma de rede de 271 postos com a opção do GNV em sua área de concessão (Grande São Paulo, Campinas e região, Vale do Paraíba e Baixada Santista). Somente no município de São Paulo são aproximadamente 150 postos. Existe um aplicativo para celular (IOS e Android) que permite encontrar o posto mais próximo de GNV, bem como calcular a economia em relação a outros combustíveis. 

8 - MEIO AMBIENTE 

Os veículos movidos a gás natural veicular reduzem a emissão de poluentes. O GNV emite em média 15% a menos de CO2 em relação ao etanol e 20% a menos na comparação com a gasolina. 

Sobre a Comgás 

A Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) trabalha para ser a melhor alternativa energética para as pessoas, as empresas e a sociedade, oferecendo serviços e soluções que antecipam o futuro. 

Com fornecimento ininterrupto e atendimento 24h, a Comgás atende mais de 1,6 milhão de clientes em sua área de concessão no estado de São Paulo: a Região Metropolitana de São Paulo, a Região Administrativa de Campinas, a Baixada Santista e o Vale do Paraíba. 

A Companhia possui mais de 14 mil quilômetros de rede de distribuição em 85 municípios, abastecendo com gás natural os segmentos industrial, comercial, residencial e automotivo, além de viabilizar projetos de cogeração e fornecer gás para usinas de termogeração. Site: www.comgas.com.br​​​